Prefeitura e MPPB dão início a curso de formação  de mediadores de conflitos em ambiente escolar

O projeto Escola com Respeito, uma realização da Prefeitura de Soledade em parceria com o Ministério Público da Paraíba (MPPB) começou a ser implementado, nesta quinta-feira (25) em Soledade, por ocasião da reunião de um grupo seleto de pessoas que lidam com o contexto escolar no município. O encontro aconteceu no auditório da Câmara Municipal de Soledade e teve o objetivo de apresentar o projeto que vai trabalhar qualquer situação mais tensa ou conflitante no ambiente escolar. O próximo passo será uma capacitação das equipes que durará cerca de cinco semanas.

A formação foi mediada pela Promotora de Defesa dos Direitos da Escola e a promotora de Justiça de Educação, Dra. Ana Raquel Beltrão, e o pedagogo do MP, Valuce Alencar. A primeira ação do projeto é formar, através do curso Direitos Humanos e Práticas Restaurativas na Escola, cerca de 75 pessoas ligadas à educação no município, que passarão a ser mediadores. Depois, eles passarão à parte prática nas escolas.

Estão participando do projeto os professores da Rede Municipal de Ensino de Soledade, Conselho Municipal de Educação, coordenadores pedagógicos, orientadores educacionais, supervisores escolares, diretores de escola, conselheiros tutelares, Guarda Municipal, técnicos do Centro de Referência e Assistência Social – CRAS e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS, conselheiros do CMDCA – Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e representantes da Pastoral da Criança.

A apresentação do projeto, no primeiro dia, segundo a secretária de Educação de Soledade, Andrea Berto, já foi muito bem recepcionado pelos cursistas. “O primeiro dia já foi excelente. Todos saíram bastante motivados com as perspectivas que o projeto vislumbra”, disse ela. A capacitação terá uma carga horária de 40 horas, divididas em cinco semanas. Será uma aula por semana, sendo esta de carga horária de 8h. A contrapartida da Prefeitura é estrutural, ou seja, com material de apoio e local para o curso, além, é claro, do material humano. “Selecionamos um grupo sensível e que acreditamos ter habilidade para o diálogo e a mediação de conflitos. Será uma experiência valiosíssima que vai melhorar, inda mais, o ambiente escolar de Soledade”, salientou a secretária

Com a capacitação, a tendência é que se tenha mais informações acerca do contexto de alunos e que se possa proceder da melhor forma possível, através primeiro do diálogo, em casos atos infracionais ou indisciplina por parte dos estudantes. O projeto é capitaneado pela Promotora de Justiça, Dra. Ana Raquel Beltrão.

COMPARTILHAR