Prefeitura de Soledade realiza limpeza dos rios e galerias que cortam a cidade para evitar o acúmulo de lixo e água parada

A Prefeitura de Soledade vem promovendo durante todo ano a limpeza de sua rede de esgoto, riachos e de suas galerias pluviais no intuito de manter as águas e o perímetro urbano sempre limpos e livres de insetos e vetores como o Aedes aegypti. Essa semana, por exemplo, foi iniciado mais um trabalho. Uma equipe da Prefeitura está realizando a limpeza no Riacho Lava Pés e no Riacho dos Mourões, localizados na entrada e na saída da cidade, respectivamente, bem como de suas galerias.

A equipe de campo é formada por três pessoas. Duas delas ficam responsáveis pela limpeza mais pesada dos rios, retirando entulhos, e a outra pessoa é um agente de endemias que fica investigando os focos de vetores para fazer o combate, se necessário. O coordenador desse trabalho de campo, Daniel Mendonça, explicou que desde 2018 que a gestão municipal adotou essas medidas preventivas para proporcionar melhor qualidade de vida aos moradores de Soledade.

“A sede do nosso munícipio se encontra em uma região com rios não perenes em seu perímetro urbano e, por isso, faz-se necessário o controle da proliferação de vetores e outros insetos. Assim, fazemos a desobstrução de esgotos para que a água vá para um local distante da cidade, e também um trabalho de borrifação nas galerias com inseticida, ou abate líquido adquirido pela Prefeitura para eliminar as larvas, principalmente, das muriçocas, um dos grandes problemas que temos”, disse Daniel.

Segundo o coordenador da Vigilância e Saúde no município, Flávio Miranda, a medida é importante porque além de ter o problema da falta de perenidade dos rios – o que faz com que a pouca água se acumule e fique parada, infelizmente, a população ainda suja muito os rios e as galerias, mesmo com todo o empenho da gestão municipal no sentido de orientar as pessoas através de campanhas.

Em alguns locais, durante o serviço de limpeza são retirados todo tipo de lixo. É comum as equipes de limpeza encontrarem fogões, geladeiras, sofás, pneus, restos de veículos, além de grande quantidade de materiais plásticos como garrafas PET, baldes e sacos descartáveis. Esse tipo de lixo nos rios e canais impede a passam das águas das chuvas provocando sua retenção e, consequentemente, muito criadouros de insetos que provocam doenças. “A população pode e deve ajudar evitando jogar lixo nestes locais contribuindo, assim, para que a água não se acumule nas galerias”, finaliza Flávio.

COMPARTILHAR